Entre em Contato

11 3057.3003

Dermatologia


Beleza e Cosméticos

Cuidados com a pele

A pele é o maior órgão do nosso corpo e a primeira linha de defesa do corpo. Como tal, pode ser facilmente danificada, tanto por fatores externos, como radiação ultravioleta, quanto por fatores internos, como alimentação, cigarro, etc.

Os cuidados com a pele – mais do que simplesmente beleza – são sinônimo de saúde. Assim como todos os nossos órgãos, a pele necessita de cuidados especiais e orientações corretas. Escolher o tratamento certo para cada tipo de pele (seca, oleosa e mista) e para cada tonalidade de pele (branca, morena, negra) é importante para obter melhores resultados no tratamento dermatológico. Como o mercado oferece cada vez mais produtos para a pele, cabelos e unhas, a boa indicação e a correta utilização dos mesmos são decisivas para evitar transtornos, como irritações e alergias causadas pelos produtos.

Além disso, os cuidados com o sol, a prevenção do câncer de pele, o exame de pintas do corpo tornam-se obrigatórios nos dias de hoje. Aprender a cuidar da pele nas diversas fases da vida, mantendo-a sadia, é de grande importância não só para manter a beleza e a aparência, mas também para conservar a saúde como um todo.

A pele dos 8 aos 18 anos

Não há uma fase na vida da mulher com tantas modificações como esta, dos 8 aos 18 anos. A menina vai gradativamente se tornando mulher, registrando grandes modificações no corpo e no comportamento mental. Nesta fase observamos a ação de hormônios nos diversos órgãos, com o aparecimento de pêlos na região axilar e púbis, aumento das mamas e início dos ciclos menstruais. A pele participa ativamente destas mudanças, podendo ser mencionadas:

  • aumento da oleosidade da pele e dos cabelos;
  • acne (conhecida como “espinha”);
  • estrias;
  • celulite.

Aumento da oleosidade e acne

O aumento da oleosidade, tanto da pele como dos cabelos, pode ser notado antes mesmo do aparecimento dos ciclos menstruais e se deve ao acréscimo na produção do sebo, que depende da ação dos hormônios em nível da unidade pilossebácea. É muito difícil definir o limite entre a pele oleosa fisiológica e a patológica. Cosmeticamente, a pele adquire um aspecto brilhante, com dilatação dos poros, sobretudo na testa e no nariz. O tratamento nesta fase deve ser pontuado por medicamentos bem tolerados pelos pacientes e com uma boa orientação profissional. Sabonetes não muito abrasivos, contendo extrato de camomila ou azuleno, podem ser usados como calmantes da pele. Xampus não-medicinais para cabelos oleosos geralmente resolvem grande parte da oleosidade nesta fase, e os cabelos devem ser lavados freqüentemente.

Aos poucos a menina adolescente pode começar a observar pontos pretos no rosto e “bolinhas vermelhas” com pus nas bochechas, que a deixam muito chateada. São as famosas acnes, mais conhecidas como “espinhas”. A acne vulgar é uma doença crônica e multifatorial, com tendência hereditária. Surge geralmente na puberdade, correspondendo nesta faixa etária à grande maioria da queixa dermatológica nos consultórios. Existe aumento da secreção de sebo, queratinização dos folículos da unidade pilossebácea e alteração da flora microbiana da pele. As lesões características mais comumente encontradas são os comedões, conhecidos como “cravos”, abertos ou fechados (também conhecidos como cravos brancos), as pápulas (lesões vermelhas) e as pústulas. Nas formas mais severas, lesões maiores como cistos e nódulos podem ser observadas. Quando as lesões são muito inflamatórias com bastante pus, são dolorosas e podem se romper-se espontaneamente, com formação de crostas e possíveis cicatrizes. Nos casos mais graves, com nódulos e cistos, a falta de tratamento pode favorecer o aparecimento de indesejáveis cicatrizes.

Esta doença incomoda demais as jovens e pode causar importantes distúrbios comportamentais como depressão, vergonha e afastamento das atividades sociais.

Antes de iniciar o tratamento, a jovem deve estar conscientizada da cronicidade da doença, que não apresenta cura imediata. A disciplina e o uso correto da medicação são primordiais no sucesso do tratamento da acne.

Com relação ao tratamento, algumas regras básicas devem ser seguidas:

  • o próprio paciente não deve manipular ou extrair manualmente as lesões;
  • a desobstrução e a limpeza dos comedões, conhecida como limpeza de pele, deve ser realizada por profissionais experientes;
  • o uso de cosméticos para encobrir as espinhas deve ser evitado, pois o uso de cremes cosméticos, bases e pancakes pode obstruir a unidade pilossebácea, produzindo ou piorando a acne;
  • sabonetes abrasivos à base de enxofre, ácido salicílico e resorcina ajudam a desobstruir os folículos;
  • cremes, loções, géis à base de peróxido de benzoíla nicotinamida, eritromicina, clindamicina e retinóides estão disponíveis para uso local com boas respostas;
  • medicamentos de uso oral só podem ser utilizados com indicação médica e com seu devido acompanhamento;
  • filtros solares devem ser em géis ou em loções sem óleo (oil-free).

É importante considerar que a indústria farmacêutica oferece grande quantidade de produtos antiacnéicos, porém toda medicação deve ser utilizada com a devida orientação médica, visto que muitas substâncias podem irritar a pele e se tornarem até mesmo nocivas.

Estrias

São traços lineares com a superfície atrófica ou enrugada que aparecem geralmente a partir dos 12 ou 14 anos nas nádegas, abdômen e mamas. No início podem ser vermelhas ou roxas e discretamente elevadas. Após meses, adquirem um aspecto branco. Vários fatores levam ao seu desenvolvimento, como fatores mecânicos (distensão, estiramento crônico e progressivo), fatores bioquímicos e predisposição genética. Para o tratamento devemos considerar se as estrias são recentes (vermelhas ou arroxeadas) ou tardias (brancas). Para estrias recentes o uso de ácido retinóico, aplicação de laser e peelings químicos ajudam muito em sua reparação. Já para as estrias de longo tempo (brancas), técnicas cirúrgicas podem ser realizadas para tentar amenizá-las. Estes tratamentos sem dúvida alguma trazem satisfação às pacientes, no entanto, nem sempre se observa um total desaparecimento das estrias.

Celulite

A celulite resulta da degeneração das células gordurosas, gerando o aspecto conhecido como “casca de laranja”. Não é considerada uma doença grave, porém representa um distúrbio estético importante em mulheres de quase todo o mundo. Inicia-se após a puberdade, e pode piorar com a gravidez e terapias hormonais. Vários fatores contribuem para o seu aparecimento e agravamento: sedentarismo, predisposição genética e familiar, obesidade, dieta excessiva de açúcares e gordura, gravidez e alteração circulatória (varizes). Deve se dar importância aos hábitos e à rotina de vida, uma vez que a celulite tem um significado mais estético. Cada pessoa deve observar uma rotina de alimentação adequada, específica para o seu estilo de vida, com muita disciplina. A realização de atividades físicas é fundamental para ativar a circulação e, com isto, melhorar a celulite. A água deve ser ingerida em abundância, não sendo comprovados ainda os malefícios de bebidas gasosas. Comprimidos e tratamento via oral para a celulite necessitam de mais estudos para atestar sua verdadeira eficácia. O uso de cremes aplicados no local, incentivados pela indústria cosmética, precisam de mais estudos de eficácia e segurança do ativo utilizado. Em resumo, uma dieta disciplinada e correta e a realização de atividades físicas ainda continuam sendo os meios seguros para o controle e a melhoria da celulite.

A partir dos 18 anos, já com toda a transformação hormonal que a mulher constatou, chega a hora de começar a cuidar da pele para evitar futuramente os danos causados pela radiação ultravioleta (desde manchas até lesões pré-malignas). Usualmente as mulheres nesta faixa etária apresentam um grau leve de fotoenvelhecimento, ou seja, poucas rugas, poucas cicatrizes, poucas queratoses (lesões de superfície áspera localizadas nas áreas de exposição solar), as quais conseqüentemente, requerem pouca utilização de maquiagem habitual.

É extremamente indispensável classificar a pele para que produtos corretos sejam aplicados. Sendo assim, dois pontos são primordiais: a pigmentação da pele e a hidratação/oleosidade da pele.

Pigmentação

Aqui no Brasil, pela imensa miscigenação racial, observamos várias tonalidades de pele, desde a pele clara (que sempre se queima e nunca se bronzeia), a pele um pouco mais pigmentada (que sempre se queima e se bronzeia pouco), e a pele morena (que se bronzeia muito e se queima pouco), até peles altamente pigmentadas e negras. As peles com tonalidades mais claras são mais suscetíveis a degenerações causadas pela radiação ultravioleta, devendo usar proteção solar mais forte. Já as mais morenas são mais resistentes à ação do sol, porém podem manchar com mais facilidade.

Hidratação/ lubrificação da pele

As peles podem ser divididas em oleosas, secas, normais e mistas. A pele oleosa mostra um aspecto brilhante (aspecto de casca de laranja) em razão de aumento da secreção sebácea e sudorípara, dilatação dos poros e maior espessura. O tipo seco mostra uma superfície desidratada, ressecada, opaca e quebradiça, podendo apresentar rugas finas em conseqüência da perda excessiva de água pela superfície cutânea. A pele normal possui uma textura lisa, suave e flexível ao toque, e os poros são pouco visíveis. Já a forma mista mostra áreas de superfície oleosa misturadas com áreas secas ou normais, sendo que na zona T do rosto (testa, nariz e queixo) predominam as áreas oleosas enquanto no restante do rosto predominam as áreas de pele normal.

Sabendo-se o tipo de pele, para mantê-la saudável algumas etapas devem ser seguidas, independentemente da idade:

  • limpeza;
  • hidratação;
  • fotoproteção.

Limpeza

A limpeza diária da pele do rosto tem como objetivo remover a oleosidade excessiva, impurezas, suor, microorganismos, restos de maquiagem e resíduos resultantes da poluição cotidiana. Para a pele normal, a limpeza deve ser feita com agentes suaves, sem sabão para não ressecar muito, e os tônicos, se utilizados, devem conter baixo teor de álcool. Extratos de hamamélis e/ou de camomila são bem indicados, pois são produtos pouco irritantes e têm uma ação calmante.

A pele oleosa apresenta um aspecto graxento, que geralmente desagrada às mulheres. São recomendados sabonetes contendo agentes com ação secativa, como óxido de zinco, calamina, enxofre, hamamélis, piridoxina e sulfato de zinco. No caso de pele com acne também podem ser usados sabonetes contendo enxofre e ácido salicílico.

Já para a pele seca, a limpeza requer um cuidado especial para que não piore esta condição. Sabonetes convencionais e água muito quente devem ser evitados. Recomenda-se o uso de sabonetes emolientes com glicerina e leites ou loções de limpeza suaves e hipoalergênicos.

A pele mista requer um tratamento semelhante ao da pele oleosa, principalmente na zona oleosa (zona T), e um sabonete suave ou uma loção suave de limpeza é o que pode ser aplicado no restante da face.

Hidratação e fotoproteção

A hidratação da pele normal deve ser realizada com hidratantes leves, como emulsões de óleo/água, ou loções hidratantes fluidas para manter o equilíbrio fisiológico da pele. Os cremes e loções contendo ceramidas e vitaminas são os mais utilizados. O uso de filtros solares devem ser diários pela manhã, e em dias muito quentes devem ser reaplicados em torno do meio-dia. O filtro deve ser em creme ou em loção de textura leve como emulsão, ou creme livre de óleo (“oil free”).O fator de proteção solar (FPS) depende de cada tonalidade de pele, devendo ser sempre 15 no mínimo, e para as pessoas mais claras, um fator de proteção 30 é recomendado. A fotoproteção química (filtros solares) não deve ser somente nos dias ensolarados, mas igualmente nos dias frios ou de chuva, porque a radiação ultravioleta está presente diariamente. Este hábito preserva a pele e evita danos futuros, como o aparecimento de manchas, rugas e câncer de pele.

Para a pele oleosa os cremes hidratantes são contra-indicados, pois podem piorar a oleosidade e formar os chamados comedões ou cravos. A hidratação neste caso deve ser realizada com produtos em gel ou loções aquosas fluidas ou livres de óleo. Filtros solares também devem ser em géis ou emulsões livres de óleo, com fator de proteção adequado a cada tonalidade de pele.

A pele seca requer um tratamento com hidratantes mais potentes para equilibrá-la e evitar a penetração de agentes irritantes que podem levar ao desenvolvimento de irritações e alergias. Os emolientes formam uma camada oleosa sobre a superfície cutânea, evitando a perda de água. São utilizados ativos à base de uréia, lactato de amônio, ácido hialurônico e óleos de amêndoas doces, de sementes de uvas e de macadâmia. Para a fotoproteção pode- se optar por cremes hidratantes ou loções cremosas contendo FPS.

Para a pele mista, um hidratante não-oleoso deve ser aplicado nas bochechas e áreas laterais do rosto, e o filtro solar deve ser sem óleo e com FPS 15 ou superior.

Geralmente nesta fase da vida as mulheres engravidam, e cuidados especiais se tornam necessários: utilização de filtro solar diário para não manchar a pele e cremes na área das mamas e no abdômen para evitar o aparecimento de estrias.

A pele dos 38 aos 58 anos

Nesta etapa da vida a mulher se preocupa com as temidas rugas. As rugas são sinais que acompanham todo um processo de envelhecimento do ser humano. Há um envelhecimento intrínseco, cronológico, esperado e inevitável que acompanha o tempo de vida. Rugas finas e sulcos aparecem na face. Já o fotoenvelhecimento aparece nas áreas expostas ao sol e é devido ao efeito crônico e acumulativo da radiação ultravioleta na pele. O aspecto é individual, dependendo da tonalidade da pele, predisposição genética, do tempo e da freqüência que a pessoa ficou exposta ao sol. As alterações observadas são manchas de cor variada (do marrom ao branco) na face, braços e dorso das mãos. A pele do rosto se torna áspera, espessa, seca e sem elasticidade, com aspecto fosco. Nas mulheres de pele clara observa-se também dilatação de pequenos vasos da face. Rugas profundas vão sulcando a face. No pescoço e colo há aumento de pregueamento, e a dilatação dos vasos pode ser observada. Conforme o grau de exposição solar e de predisposição individual surgem pequenas lesões benignas em número variável, como angiomas e queratoses (lesões de superfície áspera localizadas nas áreas de exposição solar). A prevenção destas alterações deve ter início em torno dos 20 anos de idade com a utilização diária e rigorosa de filtros solares, evitando exposições excessivas ao sol no período entre 10 e 14 horas. A partir dos 40 anos deve ser feito um tratamento continuado com produtos que tenham a finalidade de hidratar, regular o sistema de pigmentação, restaurar e equilibrar queratinócitos e fibras colágenas/elásticas. Existe no mercado uma grande variedade de produtos despigmentantes para melhorar as manchas da pele. Retinóides, alfa-hidroxiácidos, vitaminas de uso tópico são os grandes aliados no tratamento do envelhecimento da pele, devendo ser utilizados com indicação médica e com um bom acompanhamento clínico, pois podem causar irritações e processos alérgicos, dependendo da concentração e da aceitabilidade de cada paciente.

Na ultima década foram desenvolvidos produtos como os derivados do ácido hialurônico para o preenchimento de rugas (perilabiais, sulco nasogeniano, conhecido como “bigode chinês”), correção de cicatrizes, aumento e contorno dos lábios. A durabilidade do preenchimento é variável, em média de 6 a 12 meses, trazendo, sem dúvida alguma muita satisfação às pacientes.

Atualmente o uso da toxina botulínica, mais conhecido como Botox®, é um meio não-cirúrgico para o tratamento das rugas faciais dinâmicas (rugas que aparecem com a contração muscular), principalmente da testa e na região ao redor dos olhos. Quando a toxina é injetada nos grupos musculares que provocam as rugas, há uma paralisia temporária da contração desses músculos, tratando assim a causa principal dessa condição. A duração dos efeitos da toxina é em média de 6 meses, variando para cada paciente.

Tanto a toxina botulínica como os métodos de preenchimento devem ser realizados por médicos experientes, não devendo ser aplicados em grávidas, pacientes com sensibilidade a algum destes produtos, e com a presença de infecção ou inflamação no local a ser tratado.

Enfim, a pele, por ser o órgão mais visível do corpo, é a maior sinalizadora do envelhecimento, mas deve-se ter em mente que a saúde da pele depende da saúde do restante do organismo. Portanto, a prática de exercícios físicos regulares, a ingestão de dietas equilibradas (ricas em cálcio, grãos, frutas e vegetais), o controle de doenças como hipertensão e diabetes e um bom repouso contribuem para o bem-estar da mulher, e conseqüentemente da pele.

A pele dos 58 aos 88 anos em diante

A pele mostra ao longo dos anos inúmeras modificações na sua estrutura e aparência, que nem sempre agradam à mulher. Ela vai se tornando mais fina, pálida, com diminuição da elasticidade e conseqüente frouxidão tecidual, o que resulta às vezes na aparência semelhante à de papel de cigarro. Há diminuição da umidade e da gordura, dando um aspecto de superfície seca, com aparecimento de rugas superficiais e profundas. Os pêlos ficam mais rarefeitos e mais finos na cabeça, axilas, púbis e pernas. Os vasos da pele tornam-se mais frágeis e pequenos traumas podem formar hematomas principalmente no dorso das mãos e antebraços.

Além de todas essas modificações, a mulher mostra maior ou menor grau de dano solar nas áreas descobertas do corpo, dependendo da intensidade e do tempo de exposição solar durante a vida. As flutuações hormonais da menopausa podem vir acompanhadas de manchas e maior frouxidão e secura da pele. A hidratação cutânea é muito importante nesta etapa com cremes ou loções que impeçam a perda de água da superfície da pele. A aplicação de filtros solares com fator de proteção maior que 15 deve ser rigorosa e diária, principalmente na face e no dorso das mãos (área muitas vezes esquecida).

Inúmeras lesões de caráter benigno, como angiomas, verrugas e outras mais ásperas como as queratoses, vão surgindo. Avaliações regulares com dermatologistas são necessárias para controlar essas lesões benignas, assim como para diagnosticar e tratar lesões pré-cancerosas e o próprio câncer de pele.

Procedimentos complementares, como com toxina botulínica e técnicas de preenchimento, laser e peelings podem ser realizados, melhorando e rejuvenescendo a pele como um todo.

O estilo de vida, hábitos alimentares, atividades físicas também se relacionam à saúde da pele. A alimentação deve ser mais rica em cálcio para proteger os ossos, e verduras, frutas e legumes devem ser ingeridos para garantir um aporte maior de vitaminas.

A maioria das pessoas nesta faixa etária é sedentária ou tem atividades físicas insuficientes. Atividades físicas diárias são importantíssimas para melhorar o condicionamento respiratório e cardiovascular e para manter o tônus muscular a fim de sustentar a pele e o tecido gorduroso.

Enfim, o conjunto de medidas físicas e alimentares, o diagnóstico precoce das doenças, os cuidados com a pele e o suporte emocional significam uma longevidade com saúde em todos os aspectos.